tem no suburbio logo branco.png
  • Rafael Bastos

Hortas Cariocas

Atualizado: Fev 19

Programa de Hortas Urbanas da Prefeitura do Rio é considerado modelo pela ONU, e distribuiu 33 toneladas de alimentos orgânicos durante a pandemia.


Fotos: Tomaz Silva/Agência Brasil

O programa Hortas Cariocas (@hortas.cariocas), desenvolvido desde 2006 pela Gerência de Agroecologia e Produção Orgânica (GAP), da Prefeitura do Rio, é uma iniciativa inovadora, que apesar de muito simples, tem grande impacto nos lugares onde atua. O programa faz a implantação de hortas comunitárias orgânicas em terrenos ociosos em comunidades e escolas da rede municipal de ensino.


Por meio de um trabalho de capacitação, 100% da mão de obra das hortas é de trabalhadores locais, das próprias comunidades. Metade da produção da horta é doada para escolas e creches, e para as famílias em maior situação de vulnerabilidade. A outra metade é vendida na comunidade, a preços acessíveis.


"É uma forma de forma a contribuir com a redução dos índices de ocupação irregular de terrenos ociosos e elevação dos níveis de inclusão social, reduzindo os riscos de insegurança alimentar na cidade"


Atualmente, o Hortas Cariocas conta com 40 unidades produtivas, sendo 17 unidades em comunidades de baixa renda e 23 em equipamentos da rede Municipal de Educação


Desde 2018 o programa passou a contar com uma unidade externa, o Centro Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica, situado no Parque de Madureira. O espaço permite a realização de cursos e treinamentos, através de diversas parcerias, e por estar no coração da AP-3, região com os mais baixos indicadores sociais da cidade, cumpre a importante missão de ser o braço do programa em uma área com amplo potencial de resposta positiva à proposta de segurança alimentar e capacitação, que é o objetivo do programa.


"A GAP ainda atua em parceria com a SME no Programa Hortas Escolares, junto à Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos com a ressocialização e capacitação profissional de pessoas em situação de vulnerabilidade social; apoia a Secretaria Municipal de Fazenda na execução da política tributária referente a produção agrícola na cidade; além de integrar diversos conselhos e colegiados com foco em agricultura, desenvolvimento rural e segurança alimentar."


O trabalho da iniciativa foi reconhecido pela ONU, que colocou o projeto em uma lista de ações classificadas como essenciais para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da entidade. A lista registra os projetos comprometidos com uma agenda mundial de desenvolvimento sustentável, que deve ser cumprida até o ano de 2030


A ONU considerou que o programa Hortas Cariocas “incentiva a agroecologia urbana e dá acesso a alimentos saudáveis nas regiões mais vulneráveis da cidade”, e afirma ainda que “ao identificar áreas com potencial para hortas urbanas, o projeto oferece à população local insumos e materiais para o desenvolvimento da agricultura orgânica, além de promover a educação ambiental”.

Com cerca de 70 toneladas de alimentos orgânicos produzidos anualmente, entre frutas, verduras e legumes, o programa iniciou uma nova fase de introdução de proteína animal.

Foi inaugurado na horta do Jardim Anil, em Jacarepeguá, o projeto piloto para a criação de tilápias, num sistema de aquaponia, que é a integração da aquicultura com a hidroponia, possibilitando, em um só sistema, a produção de peixes e vegetais utilizando a mesma água num mecanismo de recirculação.


"Com isso, os dejetos produzidos pelos peixes podem ser aproveitados como fonte de nutrientes pelos vegetais que, por sua vez, melhoram a qualidade da água que retorna aos peixes."

Fotos: Tomaz Silva/Agência Brasil

Atuação na Pandemia


O Hortas Cariocas foi um dos programas utilizados pela Prefeitura do Rio para atenuar as dificuldades de acesso à alimentação pelas populações em situação de vulnerabilidade durante a Pandemia da Covid-19. As unidades do programa foram orientadas a doar toda a produção de alimentos para as famílias de baixa renda nas comunidades. Desde março de 2020, já foram doadas mais de 33 toneladas de alimentos, beneficiando 4 mil famílias.